• Marcelo Madeira

O materialismo científico

Quase sempre em suas obras, o escritor americano Bruce Alan Wallace aborda diversos modos de investigação científica e filosófica focando nas relações entre ciência e budismo.


Segundo o autor: “A visão do materialismo científico pode ser resumida nos seguintes termos:


- O mundo físico é a única realidade que existe.

- Ele é gerado totalmente por forças naturais impessoais.

- É desprovido de ordem ou valores morais intrínsecos

- E funciona sem a intervenção de quaisquer forças espirituais imateriais, sejam elas benéficas ou não.


Escute o artigo na versão podcast




É importante ressaltar que o materialismo científico é a visão majoritária da ciência hoje.


Para o Materialismo científico, a vida e a consciência surgiram por um acaso no universo, de reações químicas complexas.


Para o materialismo, a vida em geral não tem nenhum sentido, valor ou significado além do que ela própria se atribui.


E Alan Wallace continua: “No decorrer de uma vida individual, todos os desejos, esperanças, intenções, sentimentos, todas as experiências e ações – são determinadas unicamente pelo corpo e por forças impessoais do meio físico que atuam sobre ela”.

E assim pensam os materialistas científicos.


E o autor não para por aí:


“O fim de uma vida individual resulta no desaparecimento da consciência e na completa aniquilação do indivíduo e, consequentemente, esse também é o destino de toda vida do universo: ela simplesmente desaparecerá sem deixar qualquer vestígio.

Em resumo, para o materialismo científico, o homem é fundamentalmente isolado; ele vive na fronteira de um mundo hostil, que é tão indiferente a suas esperanças quanto a seu sofrimento.


Em contraposição a esse conceito, existe a visão sistêmica que diz basicamente que o organismo vivo estabelece interações que partem de seu próprio mundo interior em direção ao mundo exterior, e vice-versa. Não há para a Visão Sistêmica, organismo isolado, organismo fechado em si mesmo.


O organismo interage entre as partes o tempo todo, constantemente, de dentro pra fora, de fora pra dentro. Ou seja, o mundo exterior afeta o interior e o mundo interior afeta o exterior.


Segundo Alan Walace, apenas pela aceitação, pelo entendimento, pela compreensão da visão sistêmica da existência humana e do universo em geral, os seres humanos podem viver de maneira autêntica.


 

Eu me chamo Marcelo Madeira e este é o Teatro de Holograma.


Filosofia & Metafísica em formato Podcast.

Visite nosso Instagram @teatrodeholograma